quarta-feira, 3 de Julho de 2013

[Renda & Saltos Altos] " A Submissa", de Tara Sue Me [Lua de Papel]

Título: A Submissa

Autora: Tara Sue Me

Edição: Julho de 2013

Editora: Lua de Papel [Grupo LeYa]

Páginas: 280

Género: Romance erótico/Romance

Saiba mais sobre a obra AQUI

Crítica por Isabel Alexandra Almeida para o Blog Os Livros Nossos:

 A Submissa, de Tara Sue Me, autora Norte-Americana, é uma obra claramente inserida no universo erótico e atento o sucesso, moda ou tendência que faz com que este género tenha entrado em larga escala nos hábitos de leitura em todo o mundo, não sendo excepção Portugal.

 Começamos por dizer que, inicialmente ,os leitores que tenham lido outras obras deste género encontrarão algumas semelhanças com estereótipos habituais - homem milionário, belo e sedutor encontra rapariga atraente que se lhe entrega fisica e emocionalmente  [ e apenas este factor me fez retrair ao atribuir -lhe cotação máxima]- mas a verdade é que o livro denota um detalhe original e bastante apelativo, que bastante contribui para o demarcar de outros romances desta categoria literária, conferindo-lhe um lugar muito próprio e especial neste espectro criativo - tratam-se de citações de poemas antigos de autores clássicos como Lord Byron, John Boyle O´Reilly, e mesmo de diversas peças teatrais de William Shakespeare, numa alusão directa à literatura Inglesa capaz de fazer deliciar qualquer especialista na área, ou mesmo quem apenas aprecie a beleza de obras que são património cultural de toda a humanidade. E só por aqui, este livro desde logo cativa e abre horizontes.

   A linguagem é bastante apelativa, de fácil leitura, mas correcta sob o ponto de vista da construção frásica. Há ousadia, sensualidade e uma fortíssima química entre os dois protagonistas - Nathaniel West, empresário de sucesso, orfão de pais muito jovem, foi criado por uma tia materna, a quem adora e por quem é adorado ;  Abby King  é uma jovem bibliotecária, trabalha numa das bibliotecas públicas de Nova Iorque, é Licenciada em Literatura Inglesa, há anos que fantasia com o facto de se envolver sexualmente com Nathaniel, o qual sabe ser uma pessoa bastante bondosa apesar de, sexualmente ser Dominador e adepto de relacionamentos pautados por características BDSM .

   Os caminhos de ambos cruzar-se-ão, e Abby irá testar os seus limites ao nível da sexualidade, descobrindo ser uma perfeita submissa, pronta a aceitar regras e controlo do Mestre [Nathaniel]. Há momentos em que a jovem hesita, mas o fascínio perante um novo mundo de sensações e a evidente atracção que sente por Nathaniel irão levar a um beco sem saída, quando Abby se apaixona. A questão é, estará Nathaniel disposto a quebrar as barreiras de contenção emocional que criou à sua volta, fruto de uma infância marcada pela perda trágica dos pais? Em que termos podem ambos assumir em público, perante a unida família de Nathaniel e os seus amigos qual o tipo de relação que os liga?

    O mundo interno e inconsciente das personagens centrais está bem ilustrado ao longo da obra, e podemos afirmar que em ambos é interessante distinguir como que duas faces - a racional e a instintiva ou mais primitiva - esta última pronta a quebrar regras e testar limites.

   Encontramos também outras personagens que fazem parte do núcleo próximo de Abby - como a melhor amiga Felicia - e de Nathaniel - como os amigos Todd e Elaina, a sua tia Lilly, o primo Jackson, uma estrela do mundo desportivo que sonha encontrar um novo rumo na vida de celebridade bastante festejada. 

   Em suma, uma obra que diverte, abre horizontes, e põe em evidência uma reflexão acerca de que limites é legítimo impor ao outro ou a si mesmo, em termos de vivência da sexualidade? O que é considerado ou não normal?

   E o leitor, até onde se deixaria levar pelas sensações?

   Se procura uma sugestão para ler nas férias, aqui está uma boa escolha, relaxe, instale-se na sua praia preferida e deixe a temperatura subir!

   

7 comentários:

  1. Eu particularmente não gosto dessa nova onda de eróticos que vem surgindo, não que não sejam bons e tal (exceto 50 tons, ele eu realmente acho PÉSSIMO) mas geralmente porque eu acho enjoativo, previsível e grosseiro. Prefiro romances de banca com pitadas de sensualidade, gostei da resenha!

    Segui o blog
    Beijo

    Mari Siqueira
    http://loveloversblog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Como adquirir este livro?
    Já procurei e não o encontro!!!!

    ResponderEliminar
  3. Este livro já foi lançado?
    Procurei e não encontre.
    Sabe me dizer como faça para comprar um exemplar???
    Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está a venda em qualquer lado... Fnac, pingo doce,Bertrand,jumbo.... É só procurar com atenção!!!!

      Eliminar
  4. Já li,é simplesmente espectacular!!! Recomendo!!!

    ResponderEliminar
  5. Já li,é simplesmente espectacular!!! Recomendo!!!

    ResponderEliminar
  6. Li os três livros da série, e confesso adorei. O interessante é que li Os cinquenta tons primeiro, que detestei. Então resolvi ler os livros de Tara Sue Me, e concordo com algumas críticas quanto ao plágio de L.James, realmente a uma semelhança incrível, até mesmo na maneira de escrever a história. Quanto a crítica feita pela Isabel, foi simplesmente formidável, ela foi coesa e sincera, é claro que tem gente que não concorda, mas convenhamos cada um tem o direito de expressar suas ideias da melhor maneira que convier. Parabéns Isabel, espero ver mais críticas e análise de outras obras. Um Abraço a todos os leitores deste blogue lindinho, que descobri por acaso, mas que virei fã de carteirinha.

    ResponderEliminar

Obrigada pela sua opinião. Os comentários serão previamente sujeitos à moderação da administração da página e dos autores do artigo a que digam respeito, antes de publicação.