segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Biografia | " O Rapaz do Caixote de Madeira", de Leon Leyson, Marilyn J. Harran, Elisabeth B. Leyson | Editorial Presença





Crítica por Isabel de Almeida | Crítica Literária | Jornalista | Blogger Literária


   O Rapaz do Caixote de Madeira, de Leon Leyson com Marilyn J. Harran e Elizabeth B. Leyson é um relato autobiográfico bastante emotivo e esclarecedor sobre uma das fases mais negras e aterradoras da nossa história Contemporânea - o Holocausto promovido pela Alemanha Nazi que ceifou as vidas de milhares de Judeus, deixando em cada sobrevivente uma memória bem presente dos horrores vividos, dos limites que a crueldade humana consegue ultrapassar, mas também, e em especial nesta obra, da extrema capacidade de resiliência e de adaptação às novas realidades que os seres humanos conseguem demonstram perante situações extremas de violência, carências diversas e discriminação religiosa e cultural.

   O narrador desta história real é também o seu protagonista. Leon era uma criança Judia igual a tantas outras, nasceu numa pequena aldeia rural no Nordeste da Polónia - Narewka - sendo o mais jovem de cinco irmãos ( Hershel, o mais velho, um rapaz forte e rebelde; Tsalig, dócil e sensível, visto por Leon como um herói a imitar; Pesza, humilde e responsável e a única rapariga entre a prole; David, pouco mais velho do que Leon e o seu habitual companheiro de aventuras e traquinices). Viveu um início de infância despreocupado, inserido numa sociedade  de cariz patriarcal, os pais casaram jovens ( a mãe - Chanah - com 16 anos e o pai - Moshe - com 18) e ao pai cabia o papel social de sustentar a família, ao passo que a mãe tinha por papel social cuidar do marido e dos filhos, dedicando a sua vida à família. A aldeia apenas recebeu energia eléctrica em 1935, e não estava dotada de estruturas hoje tão básicas para a sobrevivência como água canalizada e saneamento individualizado por cada casa, mas a existência era serena, havia um forte espírito de entre-ajuda e a comunidade judaica local, constituída por cerca de 1000 pessoas investia na sua formação religiosa e cultural, os jovens frequentavam o ensino público e também o heder (escola judaica), e os mais velhos eram muito respeitados e até mesmo venerados.

   Moshe, o pai de Leon, era funcionário de uma fábrica de vidro e foi convidado pelo patrão a trabalhar em Cracóvia, o que foi considerado uma honra na aldeia. Durante uns anos visitava a família de seis em seis meses, e a sua vinda era um acontecimento que deixava toda a família muito animada. O filho rebelde, Hershel, acabou por acompanhar o pai  estabeleceu-se em Cracóvia, e logo que as poupanças permitiram, todo o agregado vai viver para Cracóvia, deixando para traz a aldeia natal.

   O fantasma da Guerra começa a pairar, mas é com alguma nostalgia que Leon recorda a sua entrada em Cracóvia (em 1938), uma bela cidade histórica, que era também um importante centro cultural.  Já na cidade começa a sentir a discriminação durante a sua frequência da escola primária, em simultâneo, Hitler começa a por em prática o seu horrendo plano de perseguição aos Judeus, marginalizando-os e diabolizando este povo. Em 1939 a guerra é já inevitável e a cidade começa a preparar-se para este conflito, e a 1 de Setembro desse mesmo ano tem início a ocupação Alemã da Polónia. A partir daqui, o mundo conforme Leon sempre conhecera começa a ficar irreconhecível, há espancamentos de Judeus por soldados Alemães na Rua, e em breve é criado o Gueto de Cracóvia, para onde são deslocadas as famílias judias às quais, ainda assim, é reconhecida uma fraca e instável legitimidade para permanecer na Cidade, mas dentro dos muros do Gueto, como que num mundo à parte, onde começam a notar-se toda uma série de privações e de ataques à dignidade de qualquer ser humano: habitações sobrelotadas, carência de bens alimentares e de aquecimento, o que rapidamente leva à doença nos mais frágeis, mas que, em simultâneo, activa um sistema colectivo de solidariedade e entre-ajuda, pois os Judeus do Gueto contribuem para ajudar quem precisa com os recursos que cada um tem, nem que sejam os conhecimentos das respectivas profissões, e surgem mesmo escolas secretas, numa clara reacção silenciosa à opressão Nazi.

   Entretanto, o pai de Leon conhece Óskar Schindler, um empresário Nazi que ficará célebre por salvar a vida de muitos judeus que, através das suas empresas, conseguiu manter sobre a sua protecção, e será este homem a ter mais adiante um papel de relevo na sobrevivência de Leon e de muitos membros da sua família.

   As deportações dos Judeus considerados menos úteis são um prenúncio de que algo vai piorar ainda mais, e após o fim do Gueto de Cracóvia Leon e a família seguem para o Campo de Plaszów, esta mudança de cenário simboliza o que de mais cruel e desumano ainda espera muitos Judeus, e este perigo foi percepcionado pelo então jovem Leon que se refere assim à entrada em Plaszów: " (...) transpor aqueles portões era como chegar ao mais profundo círculo do Inferno." p. 93

   Sujeito a trabalhos forçados, a violência gratuita a castigos sem sentido, muitas vezes o desespero extremo e o sentido de união familiar levaram Leon a arriscar a sua própria vida apenas para garantir que se mantinha próximo dos pais e dos irmãos, o que bem demonstra o sentido de união e de sociedade patriarcal na qual foi educado desde tenra idade. 

   Tem tanto de assustador como de admirável o relato que Leon nos faz de tudo o que viveu no Campo de Trabalho de Plaszów, e fica evidenciada a extrema inteligência e a coragem de um homem como Óskar Schindler, que com a sua astúcia, conseguiu manter muitas vidas judias sendo um empresário Nazi que se movimentava bem dentro do sistema instalado pelo domínio político, militar e ideológico sob os comandos de Adolfo Hitler, um líder político para quem a loucura não conhecia limites.

   Foi a mão protectora de Schindler sobre os seus empregados e as suas famílias que marcou a diferença entre a vida e a morte para Leon e alguns dos seus familiares, e ao usar um caixote de madeira para conseguir trabalhar numa máquina na fábrica de Schindler o jovem Leon chamou a atenção do empresário, que evidenciou admiração perante a astúcia da criança: " (...) eu tinha de me empoleirar num caixote de madeira para poder alcançar os controlos da máquina que estava encarregado de operar." Este simples facto que dá o título ao livro faz-nos também pensar na extraordinária capacidade de adaptação dos seres humanos ao sofrimento e à força que, muitas vezes, encontramos vinda nem se sabe bem de onde, mas que nos permite ir em frente e querer sobreviver a todo o custo, mesmo quando as probabilidades de sobrevivência são cada vez mais reduzidas.

   Sobre a atitude dos Nazis, Leon reflecte sobre a mesma referindo: " Que a nossa miséria, o nosso confinamento e a nossa dor fossem irrelevantes para as suas vidas era simplesmente incompreensível." 

   Estamos perante um livro dirigido ao público jovem, é uma leitura que recomendamos e que sugerimos até possa ser debatida em família. É um livro duro, muitas vezes chocante, e tantas outras enternecedor pela empatia que o corajoso Leon nos suscita sem esforço. Este livro abala-nos por dentro, faz-nos chorar, ter raiva, respirar de alívio, e pensar muito seriamente acerca de até onde podem ir os limites da maldade humana em nome de uma ideologia política, de uma fantasia desvairada e homicida de um psicopata que conseguiu arrastar multidões de seguidores, e faz soar campainhas de alerta num mundo cada vez mais desumanizado e carente de valores, e onde muitos líderes, em nome da religião, da mentalidade ou mesmo da ideologia podem estar, neste exacto momento, a arrastar a humanidade para algo que pode fazer repetir partes da história universal num dos seus piores e mais aterradores momentos.

   É uma leitura incontornável, e que com toda a justeza faz parte do actual Plano Nacional de Leitura, estando recomendada para todos os alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico.

Ficha Técnica.


Autores: Leon Leyson, Marilyn J. Harran, Elisabeth B. Leyson


1ª Edição: Janeiro de 2014 | Livro na 6ª Edição

Nº de Páginas: 188

Género: Biografia

Classificação Atribuída: 5/5 Estrelas



quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Renda & Saltos Altos | 11 Escândalos para Prender o Coração de Um Duque | Topseller



Crítica por Isabel de Almeida | Crítica Literária | Jornalista | Blogger Literária


11 Escândalos para Prender o Coração de Um Duque, de Sarah MacLean, é um romance de época cuja acção decorre em Londres no Século XIX, sendo o terceiro romance da série #love by numbers.

O grande trunfo desta obra é, sem dúvida, apresentar dois dos mais marcantes protagonistas de ficção romântica de época com os quais nos cruzámos em tantas leituras do género, sendo reconhecido o talento da autora na construção de personagens com personalidade bem vincada.

Apesar de se moverem em pólos opostos em termos sociais, emocionais e de personalidade, o Duque de Leighton - Simon - e Luciana Fiori acabam por vivenciar um sentimento comum que, ainda que inconscientemente, mais os aproxima: ambos lutam por encontrar um modo de se adaptarem à sociedade britânica e ao rígido código moral e social do beau monde Londrino do Século XIX, e este desafio diário atormenta os dois protagonistas desta trama.

O poderoso Duque de Leighton, conhecido pelo pouco simpático epíteto de "Duque do desdém", vive obcecado por conservar incólume a reputação da sua família, e receia, a todo o momento, ver desvendado um segredo de família que poderá minar todos os seus esforços de protecção da tradição, honra e bom nome do seu Ducado.

Juliana Fiori, filha de um Mercador Italiano e de uma Marquesa Inglesa que caiu em desgraça ao abandonar o marido e os filhos em Inglaterra, e mais tarde, tendo também deixado para trás a filha Juliana, luta por encontrar um lugar possível no seio da alta sociedade britânica, carregando sempre a culpa de ser olhada com suspeição, quer devido ao estigma dos pecados maternos, quer ainda por ser impulsiva, muitas vezes socialmente desadequada, chegando a ver-se a si mesma como um verdadeiro "escândalo ambulante".

Nem Simon nem Juliana se sentem totalmente confortáveis nos respectivos papéis sociais, mas a teimosia de ambos e a forte atracção que começam a sentir um pelo outro prometem proporcionar aos leitores momentos verdadeiramente hilariantes e também emotivos.

A trama é interessante e vai vai deixando algumas pistas acerca do que foi moldando a personalidade e as atitudes dos protagonistas. Surge também um curioso leque de personagens secundárias, de que são exemplo: a Duquesa Viúva de Leigthon ( a mãe de Simon, que simboliza a contenção emocional e a frieza da aristocracia britânica), a simpática Lady Mariana Allendale e o seu irmão (amigos e adjuvantes de Juliana), os Marqueses de Ralston ( respectivamente irmão e cunhada de Juliana), Nick e Isabel ( também, respectivamente, irmão e cunhada de Juliana). Este colorido leque de personagens secundárias confere forte dinamismo à história.

É bastante curiosa a abordagem que a autora faz do choque cultural entre Juliana e Simon. Ela, Italiana, impulsiva, descontraída, independente, católica, vê-se subitamente lançada aos leões num mundo que não é o seu, onde cada atitude, cada gesto, cada decisão estão sujeitos ao permanente escrutínio da implacável alta sociedade Londrina. Por sua vez, Simon, arrogante, criado para cumprir regras, para conter emoções e para escolher a noiva perfeita que será a mãe ideal para os herdeiros da sua irrepreensível família Ducal será surpreendido pela forte atracção que lhe desperta Juliana.

Ao nível psicológico assistimos a importantes evoluções  da parte dos protagonistas. Simon acabará por reconhecer que a auto-censura nem sempre tem o poder suficiente para repelir forças primitivas como a paixão e o desejo. Juliana terá de aprender a vencer a culpa e o preconceito que, inconscientemente, deixava que a atormentassem, tendo tudo a ganhar em aceitar a sua essência de mulher livre, independente, determinada , apaixonada e aventureira.

Paixão, conflito interno, a luta entre "dever" e "querer", protagonistas fortes que emanam uma evidente química entre si, um saudável toque de humor que denuncia a rigidez das convenções sociais de uma época onde cumprir regras estava, quase sempre, acima da felicidade pessoal. Uma leitura que será do agrado dos adeptos do romance de época e que não desilude. Recomendamos!

Ficha Técnica do Livro:


Autora: Sarah MacLean

Série: #Love by numbers - livro 3


Edição: Julho de 2017

Nº de Páginas: 352

Classificação atribuída: 4/5 estrelas

Género: Romance de época | ficção romântica sensual


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Romance Histórico | "Café Amargo", de Simonetta Agnello Hornby | Clube do Autor




Crítica por Isabel de Almeida | Crítica Literária | Jornalista | Blogger Literária:

" (...) embora devesse dar prioridade à instrução dos filhos varões em relação à sua adorada filha, encorajava-a a considerar-se igual a qualquer outra pessoa e a fazer-se respeitar, numa realidade em que era impensável as mulheres terem direito a voto."

Café Amargo, da autora Siciliana Simonetta Agnello Hornby é um brilhante romance histórico que nos traça o percurso de vida da protagonista - Maria - uma mulher forte, determinada, e que sempre lutou para conciliar da melhor forma a rígida tradição cultural da Sicília que secundariza o papel da mulher, afastando-a de questões como a cultura ou a política, com a sua mentalidade mais aberta, o seu espírito naturalmente curioso, a sua paixão pela música e pelo conhecimento em várias áreas, fruto dos princípios transmitidos pelo seu progenitor - Ignazio Marra, um Advogado socialista fiel à causa política que abraçou.

A acção vai acompanhando, com detalhes que resultam de um apurado trabalho de investigação documental, três momentos distintos da história da Sicília (e de Itália), o final do Século XIX ( quando se inicia a trama) quando os grandes proprietários começam a ver chegar ao fim o sistema económico feudal que ainda persistia na ilha; a I Guerra Mundial e o pós-guerra, a ascensão do Regime Fascista de Benito Mussolini; a II Guerra Mundial e os violentos bombardeamentos que deixaram um rasto de destruição na Ilha, em especial na bela cidade de Palermo.

A obra é também, assumidamente, uma saga familiar, e reúne um extenso leque de personagens principais e secundárias, apresentando complexidade nestes laços familiares que, também eles, sustentam de forma exímia a intriga e diversos conflitos inerentes ao desenvolvimento da acção, por isso, pareceu-nos bastante pertinente e útil o Índice das personagens principais que a autora inseriu no final da obra (páginas 353 e 354 na edição Portuguesa).

Os Marra, de que é representante o Patriarca Ignazio, são uma família tradicional com modestos recursos económicos, têm quatro filhos: Maria (a nossa protagonista), Filippo, Nicola e Roberto e acolheram no seu seio Giosuè  Sacerdoti (filho de Tonino, um Judeu de Livorno, amigo de Ignazio que faleceu mas antes pediu que este cuidasse do filho), Maricchia e Egle Malon (também acolhidas por caridade). Ignazio casou-se com Titina Tummia (muito mais jovem que ele e originária de uma família nobre que nunca viu com bons olhos esta união matrimonial) e vivem uma sólida relação amorosa que os faz enfrentar juntos todos os obstáculos que vão surgindo, inclusive, o facto de Ignazio, apesar de ser um excelente Advogado, ser muitas vezes ignorado por potenciais clientes devido à sua visão política.

Os Sala são uma família rica e influente, proprietários de minas de Enxofre e de um vasto património, e irão ficar ligados aos Marra através do casamento entre Maria  Marra e Pietro Sala, que se apaixona à primeira vista pela bela jovem que vê pela primeira vês em casa do pai, Ignazio, quando ali se dirigiu para tratar da compra de uma propriedade.

A primeira parte da trama corresponde ao enamoramento de Pietro Sala (um bon vivant, habituado a uma vida luxuosa, a gastos dispendiosos, ao convívio com a alta sociedade Europeia, a coleccionar arte e animais e plantas exóticos), e aqui surge a reflexão sobre a condição da mulher na sociedade ainda feudal da Sicília, Maria que sempre sonhara formar-se e ser professora aceita casar-se com Pietro, um homem mais velho que ela, que não ama, sentindo que, assim, libertará os pais do peso do seu sustento, sendo certo que estava disposta a trabalhar para sustentar os estudos dos irmãos e até de Giosuè (o seu melhor amigo, e que foi criado como se de mais um filho da família se tratasse). 

Giuseppina (Baronesa Tummia, por haver casado com Peppino Tummia, irmão de Titina), Sistina e Graziella ( irmãs de Pietro Sala) nunca aceitam Maria, que consideram inferior socialmente, e que lhes causa inveja devido ao facto de,  por ser uma pessoa bonita, inteligente, naturalmente sensível e bondosa, conquistar as boas graças do Sogro - Vito Sala - e aprender até a lidar com Anna, a sogra que se encontra mentalmente doente, serão firmes oponentes de Maria, a qual sempre irão hostilizar e criticar abertamente, não escondendo o quanto a odeiam.

As personagens mais fortemente modeladas e cuja evolução psicológica e amadurecimento vamos presenciando são precisamente Maria e Giosuè, que virão a descobrir que entre ambos existe uma relação que vai bem mais além da fraternidade, na medida em que viverão um amor sincero, forte, e que irá enfrentar duras provas como a distância física, as convenções sociais ( Maria é ainda uma mulher casada e mãe de família), o horror da II Guerra e o racismo e anti semitismo bem marcantes aos quais Giosuè não passará totalmente incólume,  muito embora comece por se afirmar enquanto Militar e consultor do regime Fascista, a verdade é que tudo mudará na sua vida com o surgimento do anti-semitismo muito por contaminação do regime Nazi, com o qual o Fascismo irá compactuar.

Já Pietro virá a revelar um lado negro, que apenas vai sendo revelado no decurso da trama, e que, curiosamente, dará a Maria a oportunidade de se afirmar como uma mulher forte, lutadora, responsável e merecedora do afecto e apreço do sogro Vito, assumindo o papel de defensora do património dos filhos Anna, Vito e Rita, entrando na gestão directa dos negócios da família, nomeadamente, das Minas de Enxofre.

Especialmente marcante e pungente, duma violência extrema, é o retrato que a autora nos apresenta da vida nas minas de Enxofre, deixando marca indelével na memória do leitor as condições de vida desumanas a que são sujeitos os aprendizes de mineiro, que vêem mesmo a vida encurtada devido a tal facto e que nos mostra uma realidade bastante cruel que resulta de uma visão ainda feudalista da sociedade Siciliana ainda herdeira de outras eras mais recuadas.

A escrita da autora é densa, rica em detalhes, requer concentração na sua leitura, não sendo esta uma obra que aconselhemos a ler de ânimo leve, mas não é, de todo, fastidiosa  esta leitura, é sim envolvente, arrebata-nos a alma, espicaça-nos o pensamento, enriquece-nos o conhecimento e faz-nos pensar na evolução da sociedade, no muito que mudou, e no outro tanto cuja semente permanece adormecida mas assustadoramente pronta a germinar de novo, sendo disto exemplo: o preconceito perante minorias, o racismo, novos tipos de colonialismo (revistos e actualizados e de que podemos considerar um bom exemplo o valor do petróleo), o risco de novos conflitos mundiais (com o perigo acrescido de meios bélicos ainda mais potentes e evoluídos).

O romantismo e a sensualidade também marcam presença, através da belíssima  e marcante e intensa história de amor entre Maria e Giosuè, cabendo destacar a troca epistolar entre ambos durante a II Guerra.

Também importa destacar a extrema riqueza de detalhe com que a autora faz a descrição das paisagens da Sicília, e do interior e vivência quotidiana dos vários núcleos familiares, ao longo dos vários períodos históricos que são percorridos na obra. A riqueza do registo descritivo despertará nos leitores uma nítida imagem mental que, certamente, evoca o nosso imaginário e tem o risco de suscitar o desejo de partir à descoberta dos cenários físicos onde se desenrola a narrativa, fica-nos ao menos o sonho de desvendar Palermo e cada recanto da Sicília ainda desconhecido, ou a revisitar, se for o caso.

Para concluir, é muito interessante analisar a evolução da metáfora pessoal e de narrativa familiar que contém a expressão que dá título ao livro, e que foi traduzida literalmente ( e em boa hora), "café amargo" pode ser caracterizado enquanto o percurso pessoal de amadurecimento e afirmação da alma muito feminina e da determinação, coragem e resiliência de Maria ao longo do seu percurso de vida.

Tudo é perfeito neste livro, de tal forma que intuo que, depois do muito que referi, irei lembrar-me de outros tantos aspectos  que o tornam fascinante e inesquecível, atrevo-me a sugerir uma nova leitura numa viagem a Palermo.


" - O amor à primeira vista, consome-te.(...)"


" Não estou apaixonado por ti, eu vivo de ti...Maria (...)"


Ficha Técnica do Livro:

Título: Café Amargo

Autora: Simonetta Agnello Hornby

Editora: Clube do Autor

Edição: Junho de 2017

Nº de Páginas: 368

Classificação: 5/5 Estrelas


Género: Romance Histórico

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Renda & Saltos Altos | " A Filha do Vigário", de Cheryl Holt | Quinta Essência



Crítica por Isabel de Almeida | Crítica Literária | Jornalista | Blogger Literária


A Filha do Vigário, de Cheryl Holt, conhecida justamente pelo epíteto de Rainha do Romance Sensual, é um romance de época, cuja acção decorre em pleno período da Regência, mais concretamente, em 1813, em Inglaterra.

A trama tem início na Aldeia de Wakefield, na Mansão de Wakefield Manor, onde se encontra alojado o Visconde de Wakefield - John Clayton, o seu irmão ilegítimo Ian Clayton, e todo um grupo de nobres libertinos e Cortesãs.

A vida na Aldeia, e na vasta propriedade do Visconde (que herdou juntamente com o título, na sequência da morte do seu irmão mais velho James) não vem sendo fácil, devido a perturbações nas colheitas que têm gerado uma crise de produção agrícola, e alguma escassez alimentar, a isto se soma algum envelhecimento e debilidade de muitos dos rendeiros do Visconde, que, tomando posse do seu património, está determinado a despejar os rendeiros que considere não rentáveis, alimentando ainda mais a miséria instalada, e ameaçando lançar muitas pessoas para a mendicidade, num cenário já de si bastante complicado em termos sociais e humanitários.

Também Emma Fitzgerald, a filha do entretanto falecido Vigário, vive uma existência no limiar da pobreza, alojando-se num casebre miserável com a irmã de 11 anos e a mãe demente, pois teve de ceder a residência do Vicariato ao novo Vigário, o pérfido, sinistro, ambicioso e dissimulado Harold Martin. 

Determinada, independente, inteligente, empática, com um forte sentido de missão social, sendo uma cuidadora por excelência, Emma não hesita em dirigir-se à Mansão e confrontar o Visconde, no sentido de interceder pelos rendeiros em risco de despejo (nem sequer trazendo à colação a sua própria situação pessoal e familiar deveras delicada), e ambos travam conhecimento nascendo daqui um acordo perigoso para a reputação de Emma que irá proporcionar o posterior desenvolvimento da trama.

As personagens centrais serão, pois, Emma Fitzgerald e o Visconde Wakefield, vêm de espaços sociais completamente opostos, e tal facto será um sério obstáculo à possibilidade de ambos apostarem numa relação de compromisso séria e duradoura, pese embora a inegável ligação física e emocional que cedo os atrai para os braços um do outro.

John Wakefield é o clássico aristocrata, arrogante, snob, mas que não se sente à vontade nesta pele de grande proprietário e gestor do seu património, delegando no irmão ilegítimo - Ian - a responsabilidade da gestão contabilística do seu pecúlio. Criado por pais distantes e ausentes, interiorizou os preconceitos próprios da sua classe, que considera superior, mas numa outra faceta, evita aquele que seria o seu destino politicamente correcto - encontrar uma noiva compatível com o seu estatuto social e gerar herdeiros. Assim, prefere viver uma existência plena de libertinagem e vícios, como válvula de escape psicológica à sua insatisfação em termos emocionais. Tem de gerir um frágil equilíbrio relacional bastante vazio de conteúdo, e que inclui uma noiva perfeita mas nunca verdadeiramente assumida - Lady Caroline - e uma amante fixa que apenas o satisfaz ao nível físico - Georgina, mas que se revela um ser desprovido de emoções.

Todo o sistema vivencial de John se vê abalado ao conhecer Emma, e a jovem sente precisamente a pressão de sentir que está a pisar terreno proibido ao envolver-se com John.

As personagens são fortes, estão bem caracterizadas psicologicamente, e é muito interessante conhecer o percurso de Emma e assistir ao seu papel altruista, à sua missão de ajudar os mais necessitados, não hesitando em sacrificar-se nessa missão. Também é curioso notar que Emma bem pode ser a hipótese de redenção ao alcance de John, estarão ambos dispostos a mudar?

Adorámos as personagens e gostaríamos de assistir a posteriores desenvolvimentos, além de que Ian - o irmão ilegítimo do Visconde de Wakefield, nos parece uma personagem cujo potencial poderia ter sido ainda mais desenvolvido.

Quanto ao ritmo narrativo, no primeiro terço da obra surgem uns capítulos onde a acção parece deter-se, sem grandes avanços, mas vale a pena prosseguir, e passado este momento, a acção ganha nova dinâmica, vão surgindo conflitos, segredos obscuros, e a tensão até ao climax final a que já se habituaram os leitores de Cheryl Holt.

Em termos sociais, a autora está de parabéns pelo claro retrato das diferenças nítidas entre as classes aristocráticas e o povo na Inglaterra Rural da Regência, sendo também visível nesta leitura a fragilidade da condição feminina numa sociedade moralmente rígida, patriarcal e muito ritualizada.

As cenas de cariz sexual são bastante intensas e explícitas, embora contextualizadas na história, sem surgirem de forma gratuita, o que constitui também uma característica bem vincada na escrita desta autora.

Dever, sofrimento, paixão, desejo e redenção podem ser as palavras que resumem este livro, que não apresentando uma trama muito complexa é, ainda assim, uma agradável leitura de verão, entretendo, destacando alguns detalhes interessantes da época da regência, e sem descurar a sensualidade que é a imagem de marca de Cheryl Holt. 

Ficha Técnica:


Autora: Cheryl Holt

Editora: Quinta Essência | Grupo LeYa

Edição: Julho de 2017

Nº de Páginas: 376

Classificação Atribuída no GR: 3/5 (correspondendo a 3.4 de pontuação)

Género: romance de época | romance sensual | Regência




terça-feira, 22 de agosto de 2017

Renda & Saltos Altos | "O Plano da Herdeira", de Courtney Milan | Asa



Crítica por Maria João Covas | Guest Blogger Os Livros Nossos

Visite também o blog pessoal da Maria João - Livros ? Gosto

O Plano da Herdeira é o segundo volume da série Entre irmãos de Courtney Milan. Começo por revelar que até mais ou menos a meio fui arrastando a leitura do livro. Enquanto o primeiro li sem esforço, achando a história bastante interessante, este custou-me entrar no ritmo da escrita e na evolução da narrativa. O interessante é que do meio até ao final, foi lido num ápice.

A história centra-se em Oliver Marshall, irmão bastardo de Robert, personagem principal do primeiro volume, e em Jane Fairfield, jovem excêntrica, não só nos vestidos que usa, como também na sua forma de estar. 

Estas duas personagens são o protótipo de alguém que tem o seu destino, e o seu futuro, de tal forma definido que nada as faria distanciar dos seus objetivos. Oliver quer ter um cargo político no Parlamento e, eventualmente, vir a ser primeiro ministro. Jane, apesar do generoso dote que possui, não quer casar com ninguém, pois apenas pretende afastar a irmã do domínio do seu tutor, Titus Fairfield. Assim sendo, veste-se de forma medonha, diz o que não deve, quando não deve e como não deve afastando os eventuais pretendentes.

O livro torna-se interessante a partir do momento em que os dois, como amigos, se unem para alcançar os seus objetivos, de forma imediata e, eventualmente, permanente. As personagens acabam por desenvolver uma relação muito bem construída, em que a superficialidade acaba por funcionar como uma máscara para a sociedade, mas, nós leitores, percebemos que a essência de cada um está para além dela.

Jane acaba por, de alguma forma, ser uma mulher além do seu tempo. Não sendo submissa aos homens, nem mesmo ao marido quando finalmente casa, acaba por utilizar os seus recursos financeiros, não no aumento da fortuna do cônjuge, mas sim na realização dos seus projetos. Por seu lado, Oliver ao aceitar esta mulher, e ao lutar para que os outros vejam nela mais do que os vestidos ridículos ou os comentários inoportunos ditos num tom demasiado alto, acaba por mostrar uma faceta não muito comum para a época, aceitando e orgulhando-se do brilhantismo da esposa.

Um dos momentos interessantes do livro tem a ver com os projetos políticos de Oliver: o alargamento do direito ao voto. Naquela altura nem os trabalhadores, nem as mulheres podiam votar. O voto estava confinado aos que, por nascimento, tinham esse direito. Enquanto Oliver se bate pelo alargamento do voto aos trabalhadores, a sua irmã Free luta pelo direito do voto das mulheres. Nesse aspeto o livro torna-se interessante pois embora sejam discussões breves, acabam por nos recordar da dificuldade que foi implementar direitos que hoje damos como adquiridos. Mais, se olharmos à volta, e repararmos nas taxas de abstenção existentes no nosso tempo, envergonha-nos pensar que, noutros tempos, pessoas estiveram dispostas a alterarem as suas vidas, ou mesmo a fugir de casa, como Free , para que este direito tenha sido conseguido. 

Embora não fosse um livro que me entusiasmasse, acaba por ser uma boa leitura, onde podemos ver uma sociedade preconceituosa, corrupta, e de aparências. Apesar de tudo fico à espera dos próximos volumes da serie, nomeadamente da história de Free.


Leia AQUI a crítica ao primeiro livro desta série


Ficha Técnica do Livro:


Autora: Courtney Milan

Série: Entre Irmãos #Livro 2

Editora: ASA | Grupo LeYa

Edição: Junho de 2017

Nº de Páginas: 400

Género: Romance de Época | Período Vitoriano



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Biografia | "Pablo Escobar, o que o meu pai nunca me contou", de Juan Pablo Escobar | Planeta



Crítica por Isabel de Almeida | Jornalista | Crítica Literária | Blogger


Nota: este texto foi publicado originalmente no jornal Nova Gazeta e no blog Livros ? Gosto


Pablo Escobar, o que o meu pai nunca me contou, é o mais recente livro de cariz biográfico e documental escrito por Juan Pablo Escobar (agora, Juan Sebastián Marroquin Santos), filho do célebre traficante Pablo Escobar. nesta segunda obra o autor desvenda, na sequência de uma apurada investigação por si realizada, tendo por base documentação e testemunhos reais de familiares de vítimas do pai, de aliados e colaboradores próximos do mesmo e até de inimigos assumidos de Escobar, uma série de factos que constituem uma verdadeira pedrada no charco em termos de revelações dos meandros mais obscuros das ligações entre Pablo Escobar e os mundos da política, da corrupção internacional ao mais alto nível, e de organizações que deveriam zelar pela segurança de países e pelo combate ao crime organizado, mas que acabaram, muitas vezes, a revelar-se aliados e cúmplices do mesmo (clamoroso exemplo é, neste caso, a DEA).

O próprio autor reconhece a sua estupefacção ao descobrir muitos destes novos detalhes, mas conseguiu também, com o seu trabalho de investigação, fruto de uma enorme coragem de enfrentar um passado que transporta uma herança deveras pesada, desmistificar alguns factos que eram tidos como certos, e clarificar a prática de crimes que vinha sendo imputada a Pablo Escobar, mas de forma errónea mas conveniente a várias alianças e jogos de interesses obscuros.

O livro relata também ligações entre Escobar e pessoas ou organizações que se revelaram surpreendentes e eram, até agora, desconhecidas até dos seus familiares mais próximos, pois cabe recordar que o narcotraficante era uma figura repleta de ambiguidades, e protegia o mais possível a família do seu modo de vida ilícito.

Ficamos a conhecer o relato de Aaron Seal, filho do Barry Seal (piloto da CIA, informador da DEA e colaborador do Cartel de Medellín, tendo a sua execução sido ordenada por Pablo Escobar, na sequência de haver descoberto uma traição ao Cartel), temos acesso a conversas mantidas entre Juan Pablo Escobar e outras figuras de relevo na história da família Escobar, do narcotráfico e da própria Colômbia. É revelador e interessante ir desvendando os relatos de pessoas tão díspares como: filhos de vítimas de Escobar;William Rodríguez Abadia, filho de Miguel Rodríguez Orejuela, um dos mais firmes inimigos de Pablo Escobar; Otty Patiño, um dos fundadores da organização revolucionária M19 ( que clarificou episódios como o da Espada de Bolívar e do rapto de Marta Nieves Ochoa, ou o verdadeiro papel dos irmãos Castaño no assassinato de Carlos Pizarro); velhos colaboradores de Pablo como o Malévolo; Luca, Quijada (Tesoureiro de Escobar).

Como já havia sido feito no primeiro livro, Juan Pablo Escobar voltou a exercitar na perfeição o seu  dom de envolver os leitores na história que vai relatando, entretecendo de forma natural e bastante hábil factos e emoções, e não se escusando a expressar as suas opiniões bastante claras e fundamentadas acerca do mundo do narcotráfico onde lhe coube viver sem direito a escolha e por inerência da história familiar. O autor usa um discurso claro, detalhado e bem fundamentado com documentos e testemunhos, que complementa com a sua perspectiva pessoal e mais intimista acerca dos duros temas aqui esmiuçados.

O capítulo 12 da obra é, talvez, aquele que poderá suscitar a curiosidade de uma ainda maior galeria de leitores, na medida em que o autor demonstra a sua preocupação perante a imagem idealizada e até mesmo glorificada do modo de vida de um barão da droga (como foi o seu pai), podendo induzir em erro os mais jovens espectadores das narcosséries (séries que, misturando ficção e realidade, se inspiram na vida de figuras do mundo do crime como Pablo Escobar). Neste capítulo do livro Juan Pablo Escobar desmonta peça a peça muitos dos erros da série Narcos (série televisiva produzida pela Netflix e que, nas duas primeiras temporadas, apresenta uma versão ficcionada da vida de Pablo Escobar), em 28 pontos cuja leitura recomendamos a quem, como nós, tenha seguido a série em questão, e que assim pode criticamente formar a sua própria convicção sobre o tema abordado.

O final do livro volta a afirmar taxativamente a perspectiva pessoal do autor  quanto ao consumo e tráfico de drogas, apelando a que não seja  seguido o exemplo do seu pai, e desejando que as futuras gerações possam encontrar medidas que permitam controlar este perigo à escala mundial, sendo necessária uma mudança de mentalidades aos níveis social, político e pessoal que, a avaliar pelos números envolvidos no tráfico e consumo de drogas, ainda estará muito longe de se concretizar, até porque se trata de um assunto muitíssimo complexo e que envolve diversos sectores da sociedade.

Mais uma vez, uma obra de não-ficção de fácil, envolvente e rápida leitura, bastante reveladora e surpreendente, que pode constituir um importante alerta para um dos graves problemas de adição que ainda hoje enfrentamos em todo o mundo.


Ficha Técnica do Livro:

Título: Pablo Escobar, o que o meu pai nunca me contou

Autor: Juan Pablo Escobar

Editora: Planeta

1ª Edição: Abril de 2017

Nº de Páginas: 200

Classificação: 5|5 Estrelas

Género: Biografia | Testemunho | Caso Real


Biografia | "Pablo Escobar, o meu pai", de Juan Pablo Escobar | Planeta



Crítica por Isabel de Almeida | Jornalista | Crítica Literária | Blogger


Nota: este texto foi publicado originalmente no jornal Nova Gazeta e no blog Livros ? Gosto


Em Pablo Escobar, o Meu Pai, decorridos mais de vinte anos sobre a morte do Capo do Cartel de Medellín, o seu filho Juan Pablo Escobar dispôs-se a narrar nesta obra biográfica que conjuga relato pessoal e investigação, muitos detalhes e acontecimentos que marcaram o percurso de vida do seu tristemente famoso pai, da Colômbia e do seu respectivo contexto político e social nos anos 80 e 90, durante os quais Pablo Escobar chegou a ser um dos homens mais ricos, poderosos e temidos do mundo devido à sua ligação ao narcotráfico e à escalada de violência associada a esta actividade criminosa.

A proximidade do narrador ao seu pai transporta o leitor para o seio de uma família que estava conotada com os negócios ilícitos de Escobar mas onde também existiam grandes e pequenos dramas, raiva e carinho, traições e lealdades, amores e ódios, e só por aqui já é expectável que fiquemos a conhecer o homem por detrás do traficante, Pablo Escobar é um poço de ambiguidades, de polos que se opõem e é percepcionada ao lermos esta obra.

O tom coloquial, as emoções que fluem da escrita e que oscilam entre carinho, medo, admiração e recriminação, amor familiar e repúdio estão naturalmente integradas neste livro, sendo assumida a subjectividade da escrita.

Pablo Escobar era um homem que, como resulta do olhar do seu filho, e como podemos deduzir de factos históricos conhecidos e de documentos reunidos nesta obra, era composto de ambiguidades. Era um homem inteligente, impulsivo, narcísico e egocêntrico, capaz de gestos nobres mas, também impiedoso para com todos os que se cruzavam no seu caminho e o contrariassem. Ironicamente, praticou actos de generosidade, ajudou os mais pobres, disponibilizou aviões para ajudar nas operações de socorro na sequência de uma erupção vulcânica e quis o impossível. Algures na sua mente criou a firme convicção firme de que era legítimo, aceitável e perfeitamente natural praticar o bem e defender causas políticas e sociais tendo como base de suporte económico os lucros do narcotráfico, e aceitando o preço da perda de vidas humanas (algumas delas inocentes).

De uma vida de opulência, com todas as excentricidades que o dinheiro pode comprar (por exemplo, um jardim zoológico com animais exóticos instalado na sua mais famosa propriedade a Fazenda Nápoles, que, curiosamente, deve o nome à nacionalidade dos pais de Al Capone, um dos seus ídolos) até chegar ao terror da incerteza permanente quanto ao local onde estaria toda a família no dia seguinte, o temer pela própria vida e pela dos seus ente queridos, todo este cenário nos desfila perante os olhos durante a leitura, sendo perceptível a tensão vivenciada pelo autor e pela família.

Podemos encontrar aqui relatos que ilustram a loucura de um homem (Pablo Escobar), mas não se fica indiferente à incoerência e corrupção bem patente em todo um sistema ao mais alto nível (político, militar, policial, segurança interna e relações externas).

No decurso da leitura parece-nos, muitas vezes, estarmos a assistir a mais uma produção televisiva ou cinematográfica sobre a família Escobar, mas, ao racionalizar, o leitor nota que, afinal, em tantos momentos e histórias surgem realidades que se revelam bem mais complexas e assustadoras do que a ficção.

O livro é também, a meu ver, um testemunho de resiliência, de sobrevivência, de reconstrução do autor e da sua família mais próxima.

Juan Pablo Escobar é um filho com uma herança muito pesada e ciente de que, após a morte do pai, o terror não só não abandonou esta família como se elevou a níveis ainda mais assustadores. O autor, a mãe - Victoria Eugenia Henao Vallejo - e a irmã Manuela conseguiram escapar a uma morte quase certa e aqui fica a ideia de que muito devem à coragem da matriarca bastante protectora, que enfrentou e negociou as suas vidas com cartéis concorrentes e com as autoridades que também levantaram obstáculos a uma nova vida que cortasse com o passado.

Também, à sua maneira, Pablo Escobar foi um pai e marido protector que demonstrou gostar da família (embora sejam famosas as suas infidelidades conjugais) e que estaria bastante consciente dos riscos que a esposa e os filhos correriam após a sua morte.

Num plano menos familiar e mais histórico e sociológico, somos confrontados com a extensa rede de ligações perigosas e obscuras que mobilizava aliados inesperados como forças de segurança Colombianas, a DEA (agência governamental Norte Americana que combate o Tráfico de Droga), a CIA (Serviços Secretos Norte Americanos) e os Pepes (Perseguidos por Pablo Escobar, um grupo que incluía paramilitares, membros de cartéis rivais, forças de segurança e familiares das vítimas do Capo do Cartel de Medellín).

O autor, a mãe e a irmã perderam até a identidade (mudaram de nome oficialmente como medida de segurança) encontraram um novo pais para viver. Juan Pablo mostra-se determinado a passar às gerações presentes e futuras uma mensagem bastante útil e pertinente num mundo que atravessa uma crise de valores: a mensagem é a de que nada há de bom e positivo no tráfico e consumo de drogas e no uso de violência aos mesmos associado, sendo o seu pai um exemplo a não seguir.

Numa atitude clara de reconciliação com a sua conturbada narrativa familiar Juan Pablo Escobar (agora Juan Sebastian Marroquín Santos) é pacifista e vem estabelecendo contactos com familiares das inúmeras vítimas do pai, pedindo perdão pelo sucedido.

Um livro revelador, escrito de forma consistente e emotiva e que desperta consciências, lembrando-nos que nada é linear, nada é apenas preto ou branco.


Ficha Técnica do Livro:


Autor: Juan Pablo Escobar

Editora: Planeta

1ª Edição: Março de 2015

3ª Edição: Abril de 2017

Nº de Páginas: 416

Classificação: 5|5 Estrelas

Género: Biografia | Testemunho | Caso Real



quinta-feira, 27 de julho de 2017

Renda & Saltos Altos | "O Boss", de Vi Keeland | Topseller


Crítica por Isabel de Almeida | Jornalista, Crítica Literária e Blogger


O Boss, de Vi Keeland, é um romance contemporâneo do género erótico, mas no qual a temática do erotismo se vai desenvolvendo de forma muito gradual e insinuante, à medida que a narrativa vai evoluindo. A história desenrola-se num ritmo narrativo bastante cadenciado e equilibrado, sem excessos nem avanços demasiado rápidos, e esta subtileza confere elegância ao livro.

Quando começamos a ler esta obra, o que logo nos conquista é o humor que Vi Keeland soube logo introduzir no capítulo inicial e que vai surgindo um pouco por todo o livro, acabando por alternar com a forte carga dramática que a história também integra.

A acção decorre em Nova Iorque, e a trama está organizada em capítulos breves (o que facilita, dinamiza e torna mais ágil o processo de leitura). Em cada capítulo vamos acompanhando o ponto de vista de cada um dos dois protagonistas: Reese Annesley e Chase Parker, e dados importantes do passado de Chase chegam até ao conhecimento do leitor com recurso a analepses que nos levam a um momento temporal onde recuamos sete anos.

Relativamente às personagens, ambas estão construídas com forte densidade psicológica, e mostram-se inseridas em dinâmicas que correspondem a diversos espaços sociais onde se movimentam: o espaço mais privado ou pessoal, o espaço empresarial ( Parker Industries, uma firma da qual Chase Parker é CEO, e na qual Reese virá a trabalhar), o espaço familiar e das amizades mais próximas ( Sam é a melhor amiga de Chase, e Jules a melhor amiga de Reese).

Reese Annesley é uma jovem executiva com formação e experiência na área do marketing, apaixonada pela sua profissão, tem alguma dificuldade em gerir relacionamentos amorosos, não tendo ainda conseguido criar uma relação amorosa duradoura, estável e que lhe permita a realização pessoal a este nível. É independente, trabalhadora, empenhada e, ao nível psicológico apresenta um comportamento que denota alguns traços de natureza obsessiva-compulsiva em relação à sua segurança pessoal, aspecto este que surge enquanto reacção à vivência de uma situação traumática na infância. É emocionalmente insegura, culpabilizando-se inconscientemente pelo seu comportamento obsessivo-compulsivo e pelo evento que o gerou e deixa que isto afecte a sua vida amorosa, pois nunca sentiu que os seus namorados entendessem esta sua preocupação com a segurança, ou que lhe dessem o devido valor, ou seja, nunca se sentiu compreendida plenamente por um parceiro naquilo que assume ser uma imperfeição que transporta consigo.

Por sua vez, Chase Parker é o exemplo de um macho alfa poderoso, sedutor e algo arrogante. É CEO da Parker Industries, uma firma dedicada à cosmética e beleza femininas que desenvolve cientificamente os seus próprios produtos, estudante brilhante, criativo e empreendedor, subiu a pulso nos negócios, por mérito próprio, e mantém um forte vínculo afectivo com a família mais próxima (designadamente, tem uma relação muito cúmplice com a irmã Anna, e com Samantha, a sua melhor amiga desde os tempos da faculdade, uma mulher forte, determinada e perspicaz, que, tal como Anna, assume uma postura cuidadora e protectora em relação a Chase. Bonito, sedutor, espirituoso, envolvente, bem humorado, rico e bem sucedido, à partida estaríamos perante a perfeição personificada, todavia, toda esta imagem de perfeição e força acabam por revelar-se uma máscara que esconde a sua fragilidade emocional. Chase lida com o fantasma de uma perda não superada, quer seguir em frente mas balança perante essa hipótese, deixando-se enredar numa forte pressão psicológica negativa , lutando por elaborar um luto do passado, e por vencer a culpa que, em determinados momentos, o bloqueia e o arrasta para isolamento social, abuso de alcool e desesperança na possibilidade de um futuro.

Chase e Reese vão, obviamente, cair nos braços um do outro, e até que tal aconteça, vamos assistindo a um delicioso e erótico jogo e sedução no escritório da empresa onde ambos trabalham. Porém, nem tudo é perfeito, e ambos são ainda assombrados por ecos traumáticos dos respectivos passados, o que pode deitar a perder um futuro que seria bastante promissor.

É interessante notar que o livro tem tanto de comédia romântica, quanto de drama, e tem dois protagonistas  que não são perfeitos, o que nos faz, desde logo, empatizar com Reese e com Chase. A culpa (em diferentes contextos traumáticos) e a aceitação de imperfeições em si mesmos e nos outros vão ser conceitos chave na evolução dos personagens.

Em suma, estamos perante um romance erótico que nos traz muitos bónus: romantismo, sedução, humor, drama, tensão, culpa, superação e aceitação, e é precisamente esta mistura de ingredientes tão rica que torna este livro muito especial e apaixonante. Vi Keeland é uma aposta ganha em termos editoriais e constitui uma boa escolha para levar de férias. Adorámos e queremos mais livros desta autora!

Ficha Técnica:

Título: O Boss

Autora: Vi Keeland


Edição: Julho de 2017

Nº de Páginas: 320

Género: Romance contemporâneo | erótico

Classificação: 5/5 estrelas